China numa guerra por procuração? “O grande vencedor da guerra na Ucrânia, até agora, é claramente Pequim”


Michael Butler, professor de Ciência Política na Universidade de Clark, no Massachusetts, não endossa a teoria de alguns analistas, de que a guerra na Ucrânia é, na verdade, uma guerra por procuração dos Estados Unidos da América contra… a China. Mas não hesita em dizer, em declarações ao Expresso, que “o grande vencedor, até agora, é claramente Pequim”. O conflito, não só expôs “as deficiências militares da Rússia e tornou Moscovo mais dependente da China”, como “drenou economicamente os EUA” através dos maciços desembolsos de apoio à Ucrânia. Enfim, a China tem estado em cima do muro, a assistir ao “aumento do seu poder relativo”, certa de que a guerra lhe oferece uma oportunidade para projetar a sua influência num teatro de operações estrategicamente importante.

Com meias palavras – como sugerir, no plano de paz que propôs, a retirada de todas as sanções e o abandono da “mentalidade de Guerra Fria” – e com esforços modestos de diplomacia em relação a Kiev – como enviar o embaixador Li Hui à cimeira da Arábia Saudita -, a China tem sido omissa, ou, pelo menos, ambígua, em relação à guerra na Ucrânia. Mas os motivos para a aparente cumplicidade de Pequim com Moscovo vão além do conflito armado: alguns investigadores defendem que os líderes chineses acreditam num cenário em que a China venha também a ser alvo de sanções ocidentais.

“As sanções dos EUA contra a China são provavelmente inevitáveis, particularmente com a próxima eleição presidencial a apresentar-se como um referendo sobre quem vai endurecer a relação com a China”, admite Michael Butler. Mas a imposição de tais medidas implica custos, tanto para o remetente, quanto para o destinatário. As sanções contra a Rússia obrigaram a Europa a confrontar-se com o dilema da dependência energética face a Moscovo. A face ocidental do mundo continua, contudo, dependente de matérias-primas críticas provenientes da China, tais como componentes de baterias, que seriam grandes mais-valias para a transição verde. Como lembra Michael Butler, a China “é um gigante da economia mundial e provavelmente continuará a usar essa sua relevância como alavanca”. Por outras palavras, sanções contra interesses chineses representariam um grande potencial de “reação”, e é “improvável” que produzam o efeito desejado, mesmo que haja vontade política para que sejam aplicadas. Pequim estará a consciencializar-se disso mesmo. Xi Jinping está tão desperto para essa possibilidade que tenta proteger-se, recorrendo a muitos académicos e publicações chinesas. “É-lhes pedido que apresentem ideias de longo alcance para que o país permaneça resiliente diante de futuras crises, como a criação de instituições financeiras alternativas para negociação com entidades russas, dissociadas de instituições ocidentais”, observa em declarações ao Expresso Alicja Bachulska, do Conselho Europeu de Relações Internacionais.

Artigo Exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 1,63€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler



Source link

Leave a Comment